A Comunidade e a autoridade política

Romanos 13,1-7

1-dsc_0481

1 Submetam-se todos às autoridades constituídas, pois não há autoridade que não venha de Deus, e as que existem foram instituídas por Deus. 2 Quem se opõe à autoridade, se opõe à ordem estabelecida por Deus. Aqueles que se opõem, atraem sobre si a condenação. 3 Na verdade, os que governam não devem ser temidos quando se faz o bem, mas quando se faz o mal. Se você não quer ter medo da autoridade, faça o bem, e ela o elogiará. 4 A autoridade  é o instrumento de Deus para o bem de vocês, mas se vocês praticam o mal, tema, pois não é à toa que a autoridade usa a espada; quando castiga, ela está a serviço de Deus, para manifestar a ira dele contra o malfeitor. 5 Por isso, é preciso submeter-se, não só por medo do castigo, mas também por dever de consciência. 6 É também por isso que vocês pagam impostos, pois os que tem esse encargo são funcionários de Deus. 7 Dêem a cada um o que lhe é devido: o imposto e a taxa, a quem vocês devem imposto e taxa; o temor, a quem vocês devem temor; a honra, a quem vocês devem honra.

“Paulo nesta carta escreve a uma comunidade perseguida pelo poder político, tentada por isso a negar radicalmente a função da autoridade política. O que Paulo diz não deve ser tomado como legitimação de qualquer autoridade política ou forma de sociedade, ele apenas mostra o fundamento, a função política. A autoridade por direito só pertence à natureza de Deus. Só ele é o Senhor e juiz absoluto sobre os homens. A autoridade política encontra seu fundamento numa participação funcional na autoridade de Deus, em vista do bem comum. Sua função é servir ao povo, promovendo a justiça, zelando pelo direito e impedindo os abusos. Seus limites dependem do seu próprio funcionamento e função: a autoridade não pode usurpar o lugar de Deus, pretendendo-se absoluta ou divina; nem pode servir a si mesma, oprimindo e explorando o povo.”

REFLEXÃO:

                 Vimos segundo o apostolo Paulo, que aquele que se opõe a autoridade constituída, se opõe à autoridade do próprio Deus; e atraem sobre si a condenação. A submissão da nossa parte, não deve ser por medo, mas sim por dever de consciência. Os Cristãos, que procura conhecer bem a Santa Doutrina dada por Deus e testemunhada por Jesus Cristo, conhece bem o seu dever, não procuram ocultar-se dos seus deveres e obrigações, ao contrário são fieis, íntegros e honestos. Certos de que quanto mais vivermos nesta fidelidade, não teremos medo de nada. Rezemos irmãos e irmãs amados, a fim de que vivamos perseverantemente em tudo o que sabemos que corresponde à Santa vontade de Deus e viverão abençoados abundantemente pelo Senhor Deus da Vida. Que nosso Deus seja louvado e glorificado hoje e sempre pela sua criatura. Assim Seja! Amém!

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para A Comunidade e a autoridade política

  1. Ir. Jaqueline disse:

    Que o Senhor Nicola descanse em paz e que seja eternamente feliz ao lado de Jesus Misericordioso. Um dia cremos também estar ao seu lado para juntos louvarmos e glorificarmos ao Senhor. Amém.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s