Páscoa: memória da libertação e da fraternidade   

2ª Crônicas 30,1-8 18-21

_KING_HEZEKIAHS_GREAT_PASSOVER__1 Ezequias convidou todo Israel e Judá, inclusive enviando cartas para Efraim e Manassés, a fim de que fossem ao Templo de Javé, o Deus em Jerusalém para celebrar a Páscoa em honra de Javé, o Deus de Israel. 2 O rei, as autoridades e toda a assembléia de Jerusalém decidiram celebrar a Páscoa no segundo mês. 3 De fato, eles não tinham podido celebrá-la no tempo certo, porque ainda restavam muitos sacerdotes para se purificar e o povo não se havia reunido em Jerusalém. 4 A proposta foi bem-aceita pelo rei e por toda a assembléia. 5 Decidiram, então avisar todo o Israel desde Bersabéia até Dã, convidando para que fossem a Jerusalém celebrar a Páscoa em honra de Javé, o Deus de Israel, porque poucos a celebravam como está prescrito. 6 Então os mensageiros partiram, levando as cartas escritas pelo rei e pelas autoridades para todo Israel e Judá, com  a seguinte ordem do rei: ”Israelitas voltem, para Javé, o Deus de Abraão, de Isaac e de Israel, e ele  se voltará  para vocês que sobreviveram, escapando do poder dos reis da Assíria. 7 Não façam como os seus pais e irmãos, que foram infiéis a Javé, o Deus de seus antepassados, e que por ele foram entregues à ruína, como vocês mesmos podem ver. 8 Não tenham a cabeça dura como seus pais. Comprometam-se com Javé, dirijam-se para o santuário dele, que ele mesmo consagrou para sempre. Sirvam a Javé, o Deus de vocês, e ele afastará de vocês o ardor de sua ira. 18 Muita gente, principalmente de Efraim, Manassés, Issacar e Zabulon, não se havia purificado e comeu a Páscoa, sem obedecer ao que estava determinado. Por isso Ezequias rezou por eles, dizendo: “Javé, na sua bondade, perdoe o pecado 19 dos que buscam de coração a Deus, Javé, o Deus de seus antepassados, mesmo que não tenham a pureza exigida para as coisas santas”. 20 Javé ouviu Ezequias e não afligiu o povo. 21 Os israelitas  que se encontravam em Jerusalém celebraram, durante sete dias, a festa dos Pães sem fermento, com grande alegria. Todos os dias, os levitas e sacerdotes louvavam a Javé com grande entusiasmo.

“No momento em que se pretende fazer uma reforma para reestruturar o país, a Páscoa é celebrada a fim de transmitir para as novas gerações a memória esquecida de libertação e vida. Esta festa litúrgica se apresenta como celebração do ideal a ser conseguido na reestruturação: uma sociedade que viva na fraternidade, procure reunir o povo dividido e que deposite sua confiança em Javé, presente na história para libertar da opressão”.

REFLEXÃO:

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Amados irmãos e irmãs, para nós, a nossa fé nos ele leva a crer que o Senhor Deus quando vê a fidelidade do seu povo, nunca deixa passar despercebido; levava o seu povo ao louvor e ao grande entusiasmo, provocando entre eles o fazer uma reforma para reestruturar o país; eram convidados a celebrar a festa dos Pães sem fermento e a Páscoa, buscando a vivenciá-la, reunir o povo dividido, e depositar a sua confiança em Deus, com grande alegria. Somos convidados hoje, a perpetuar tudo o que de bom este povo de Deus vivia e praticava em sintonia com a presença de Deus. Na certeza de que o Senhor Deus jamais abandonará e tampouco os deixará esquecidos, não iludamos que com a vivência a distância deste Deus de Amor podemos fazer o que queremos, porém, jamais será conforme a santa vontade de Deus. PAZ E MISERICÓRDIA!

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s